Dark Souls e suas lições

Dark SOuls

Se você é um(a) gamer provavelmente já ouviu falar dele. Nem precisa ser um(a) gamer, basta fazer parte de um grupo geek para ter uma leve noção. Dessa vez não estou aqui para fazer um review dessa pérola dos jogos eletrônicos modernos, mas apenas para mostrar que elementos interessantes a lendária série Dark Souls tem para nos oferecer. Antes de tudo…

1 – O que é Dark Souls?

Como havia dito, Dark Souls é um jogo (série de jogos) eletrônico que se tornou bastante popular desde 2011. Não foi uma popularidade passageira e explosiva como a maioria dos jogos que vem e depois de 3 meses ninguém mais se lembra, mas sim um verdadeiro mito que marcou firme sua passagem. O motivo? Dark Souls é um jogo extremamente brutal e difícil. Aos que jogam, lembram-se daqueles maravilhosos jogos de Super Nintendo, Playstation ou Atari na qual várias horas eram necessárias para se derrotar um chefão ou vencer um puzzle? Lembram-se das vezes que passaram um enorme tempo para chegar próximo a um checkpoint e de repente perder e ter que recomeçar um pedaço do jogo novamente? É mais ou menos disso que estou falando. Com sua cara de jogo moderno, gráficos bonitos, cinematics maravilhosas e complexidade, Dark Souls fez algo maravilhoso ao trazer o espírito dos jogos antigos para os tecnológicos jogos modernos.

A história se passa num cenário medieval fictício, cheio de cavaleiros, magia e criaturas fantásticas. Cenário este que é impecavelmente bem construído. Há uma explicação para tudo, até mesmo a famosa mecânica de respawn quando o personagem morre tem uma explicação de acordo com o flavor do jogo. Apesar da fantasia, o clima é bem pesado e remete a emoções bem fortes como tristeza, solidão, perda e principalmente: morte. Em meio a esse ambiente sinistro, tiramos algumas dicas muito interessantes, a primeira delas sendo…

2 – Imersão no cenário

Dark Souls traz um meio espetacular de contar a história e aprofundar o cenário. Nada de extensas falas de personagens ou longas cinematics explicando detalhadamente os acontecimentos do mundo. A história é toda oferecida em pequenos fragmentos que explicam algo pequeno, mas sempre deixam uma ponta solta. Com essa ponta solta, a curiosidade do(a) jogador(a) tende a crescer e desse modo buscar mais detalhes, porém nunca será possível descobrir tudo. Essas pequenas descrições estão em todos os lugares: Descrições de itens e magias, falas de personagens geografia e até na própria localização das coisas. Após concluir um pedaço da história descobrindo essas peças, sempre há um espaço para hipóteses e teorias e é isso que torna tudo muito divertido. Não é necessário uma chata descrição de um npc aleatório sobre como o mundo foi criado. Além de entediante, o ouvinte não irá absorver toda a história de uma vez, é melhor simplesmente dizer que “Há muito tempo atrás, numa galáxia muito distante, os rebeldes estavam em guerra com o império”, ou seja, entregue pequenos e importantes fragmentos de história aos jogadores e eles irão construir o mundo. Mas é claro, um grande cenário não existiria sem…

3 – Personagens

São vários, mas todos importantes. Seus diálogos são simples e diretos, mas úteis. Na maior parte, os diálogos dos personagens de Dark Souls servem para reforçar o ponto de vista do personagem sobre a história ou para expandi-la. Às vezes alguns estão lá apenas para trocar uma boa porrada com você, mas até mesmo estes tem um motivo para isso. Ao desvendar a história de vários deles, apenas suas ações e/ou uma breve descrição sobre o que pensava são ditos, porém através de seus pequenos gestos e ações é possível ter uma sólida noção sobre sua personalidade e graças a isso se apegar mais a alguns deles. A dica aqui seria, faça algo simples, mas importante. Não é necessário traçar toda a árvore genealógica e escrever mais de 50 páginas sobre a infância traumática para fazê-lo interessante.

4 – Aproveitamento de Recursos

Em alguns jogos é normal que o(s) personagens deixem de usar seus recursos (habilidades, equipamentos, etc) do início do jogo ao atingir uma grande progressão. Porque usar a Adaga quando posso usar a Espada Longa +5 Vorpal? Apesar de parecer sensato que os recursos se tornem mais poderosos junto com os desafios, às vezes não precisamos de tamanha força para uma situação simples. Sua Espada Vorpal seria inútil num torneio de Poker, por exemplo (a não ser que alguém estivesse trapaceando, mas aí é outra história). No caso de Dark Souls, seus recursos são muito importantes e característicos. Vários objetos mágicos que podem ser adquiridos no início do jogo podem ser de grande ajuda nos momentos finais. Não só itens, como as habilidades mais básicas são usadas durante todo o jogo (muitos rolamentos). Essa utilização total dos recursos ajuda a criar uma identidade mais forte para um personagem ou situação. Resumir algo complexo a uma tarefa simples não é legal. Um mago que só é reconhecido por usar uma bola de fogo é pouco mais do que uma bazuca com pernas.

Continuarei com essa série no próximo post, ainda há algumas coisas bem interessantes a serem retiradas de Dark Souls. Até a próxima o/

Caio “Tyghorn” Victor

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s